câncer de língua

Quais os tratamentos indicados para o câncer de língua?

O câncer de língua é uma das doenças tratadas pelo médico de cabeça e pescoço. O principal sinal que estimula as pessoas acometidas com o problema a buscarem ajuda é a presença de aftas ou feridas dolorosas que não cicatrizam, aumentam de tamanho e não melhoram com os tratamentos, além de dormência crônica na boca e dificuldade em movimentar a língua ou mandíbula. Saiba, abaixo, os principais tratamentos para combater a enfermidade.

Cirurgia

No procedimento cirúrgico, remove-se o tumor cancerígeno e o tecido circundante, sendo que, às vezes, também os nódulos linfáticos próximos são extraídos. Essa opção de tratamento é mais utilizada quando o nódulo está no lado visível da língua, é muito pequeno (menos de 2 cm) e localiza-se lateralmente, sem afetar a base da língua.

Radioterapia

É usada quando o câncer está localizado atrás da língua. Nesse método, utilizam-se radiações ionizantes para destruir as células cancerosas que formam o tumor, ou inibir o crescimento delas. Dentre os vários tipos de radiação, as eletromagnéticas e os elétrons são os mais usados. Os efeitos colaterais mais atestados são: alterações na pele, tipo queimadura solar, que diminuem lentamente; rouquidão; perda do paladar; vermelhidão e irritação da boca e da garganta.

Quimioterapia

Quimioterapia geralmente entra em cena antes da cirurgia, para diminuir o tamanho do tumor, ou depois, para eliminar as últimas células cancerígenas. Funciona, também, quando existem metástases, para tentar eliminá-las e facilitar o tratamento com outras opções. Quanto às reações adversas mais comuns, destacam-se: perda de cabelo; perda de apetite; náuseas ou vômitos; diarreia; aumento da possibilidade de infecções; sensibilidade e dor muscular.

Diagnóstico do câncer de língua

O médico, em primeiro lugar, analisa criteriosamente linfonodos na língua, na garganta, nas bochechas, no céu da boca, no assoalho da boca e no pescoço. Se, nessa busca, o profissional encontrar lesões suspeitas, o próximo passo é a biópsia. 

Caso necessário, outros métodos de investigação, como a endoscopia, poderão ser usados. Exames de imagem podem mostrar se o câncer se espalhou, se outras partes do corpo foram afetadas etc. 

Após o tratamento, que dependerá de testes de estadiamento, é essencial que o paciente submeta-se a terapia, para facilitar o movimento da língua, acompanhamento com fonoaudiólogo (se o uso da linguagem foi afetado) e controle periódico da boca, da garganta, do esôfago e dos pulmões. 

E o mais importante, claro, é permanecer longe dos hábitos que são nocivos e fazem muito mal à saúde da cabeça e do pescoço. Evite, principalmente, ingerir bebida alcoólica e acender o cigarro. 

Os principais fatores de risco para o câncer de língua são: ser homem, ter 40 anos de idade ou mais, não levar tão a sério a higiene bucal/dental, ter história de úlceras na boca, irritação das membranas mucosas da boca devido ao fumo ou consumo de álcool, além de predisposição genética à doença. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de cabeça e pescoço em São Paulo!

 

Comentários

Posted by Pablo Gabriel Quintana