Carcinoma de células escamosas

Carcinoma de células escamosas: sintomas, causas e prevenção

O carcinoma de células escamosas, também chamado de carcinoma espinocelular, é uma variação do câncer de pele, sendo o segundo tipo mais frequente de tumor cutâneo. Esse carcinoma aparece na camada superficial das células cutâneas e geralmente o seu crescimento é lento.

Quando diagnosticado rapidamente e tratado adequadamente, o carcinoma de células escamosas dificilmente é fatal. Entretanto, se ele se espalhar para outras regiões do corpo, as chances de cura diminuem significativamente.

Quer conhecer melhor o carcinoma de células escamosas, até como forma de prevenir seu aparecimento ou identificar seus sinais? Confira o artigo e saiba quais são os sintomas, causas e formas de prevenção. Boa leitura!

Sintomas mais comuns

O carcinoma de células escamosas pode gerar manifestações como uma porção de pele com bordas ásperas, uma parte avermelhada, rosada ou acastanhada mais saliente e descamativa, além de úlcera cutânea que não cicatriza com os tratamentos simples.

Causas desse tipo de câncer de pele

Qualquer tipo de câncer acontece quando determinadas células anormais se multiplicam de maneira descontrolada. Tais células, com o passar do tempo, podem se transformar em neoplasias ou tumores capazes de invadir e comprometer tecidos e órgãos. As causas de carcinomas geralmente combinam fatores genéticos e ambientais.

No caso do carcinoma de células escamosas, ele pode ter relação com o envelhecimento natural, queimaduras solares provocadas por longos períodos expostos ao sol ou, até mesmo, o contato com produtos químicos altamente carcinógenos, como arsênico, alcatrão e determinados inseticidas.

Alguns fatores de risco podem influenciar no desenvolvimento de carcinoma de células escamosas, como por exemplo, ter olhos e cabelos claros, histórico familiar de câncer de pele, tratamentos supressores do sistema imune, tratamentos com radiação ou luz ultravioleta, uso regular de camas de bronzeamento, infecção por HPV e tabagismo.

Cumpre salientar que ter um ou mais fatores de risco para o desenvolvimento de carcinoma de células escamosas não é uma sentença. Pessoas com fatores predisponentes não necessariamente irão apresentar a doença em algum momento da vida, assim como os indivíduos que não têm predisposição aumentada não estão completamente livres da possibilidade de desenvolver esse tipo de tumor cutâneo no futuro.

Prevenção do carcinoma de células escamosas

Para diminuir o risco de carcinoma de células escamosas é importante adotar medidas preventivas como diminuir a exposição solar e, quando for inevitável se expor ao sol no dia a dia, usar filtro solar, óculos escuros, chapéu e roupas com fator de proteção UV. Também é importante se abster da exposição entre as 10 e 16 horas, quando os raios solares são mais fortes.

Se a pessoa possui um ou mais fatores de risco, devem se autoexaminar constantemente e se consultar regularmente com o dermatologista para fazer exames mais detalhados de eventuais verrugas, manchas e sardas.


Quer saber mais sobre o carcinoma de células escamosas? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como
cirurgião de cabeça e pescoço em São Paulo!

Comentários

Posted by Pablo Gabriel Quintana