disfagia

Disfagia: O que é?

Já sentiu aquela sensação de que a comida ou o líquido estão presos na garganta? Embora nem sempre seja um quadro grave, em alguns casos pode indicar uma disfagia. Estima-se que esse sintoma afete 6 em cada 10 pessoas, principalmente os idosos.

Você já ouviu falar nela? Sabe como se caracteriza? Conhece as alternativas de tratamento? Caso tenha respondido negativamente a alguma dessas perguntas, recomendamos a leitura deste post. A seguir, explicaremos tudo sobre o assunto.

O que é a disfagia?

Trata-se de uma sensação subjetiva de dificuldade em engolir e pode ser um sinal de alarme para várias outras doenças, principalmente para quem sofre com a dispepsia. Os indivíduos com disfagia podem ser divididos em dois grupos:

  • orofaríngea: quando a dificuldade de engolir ocorre na fase oral e/ou faríngea da deglutição. Geralmente, os pacientes apresentam engasgos, tosses, regurgitação nasal e pneumonias aspirativas;
  • esofágica: quando o problema ocorre na fase esofagiana da deglutição. Nesses casos, os pacientes relatam a sensação de alimento entalado na região do esôfago.

Ainda, o processo de deglutição é separado em três etapas: fase oral, faríngea e esofagiana. No primeiro caso, inicia na mastigação e direciona o bolo alimentar para a faringe. Nessa fase, o processo passar a ser involuntário e transporta o alimento para o esôfago.

Na fase esofagiana, o bolo alimentar chega ao esôfago após passar pelo esfíncter esofagiano, que se fecha para evitar que o alimento retorne. Posteriormente, outro esfíncter posicionado embaixo do órgão se abre para a passagem do conteúdo. 

Como é causada?

 A disfagia pode ser causada por uma série de fatores. Um deles são os problemas neurológicos, pois o sistema nervoso central é o responsável por controlar a deglutição. Nesses casos, pode ser um sintoma das seguintes doenças:

  • traumatismo craniano;
  • esclerose múltipla ou esclerose lateral amiotrófica (ELA);
  • miastenia gravis;
  • doença de Parkinson;
  • AVC;
  • tumores.

Outra possível causa para esse problema são as doenças musculares e do esôfago, tais como, doença de Chagas, esclerose sistêmica, acalásia, síndrome de Sjögren e transtornos de motilidade de origem desconhecida.

Além disso, a disfagia pode ser consequência de uma obstrução entre a faringe e o esôfago provocada pela má formação desses órgãos, esofagite infecciosa, membrana esofágica, estreitamento ou redução do calibre do esôfago.

Como é o tratamento para disfagia?

Geralmente, quando a disfagia ocorre, ela vem acompanhada ou é antecedida por alguns sintomas, tais como, tosse e regurgitação nasal. Em situações menos frequentes pode provocar dor ao engolir ou dor no tórax.

O tratamento varia de acordo com o tipo de disfagia. Quando é orofaríngea, o problema pode ser corrigido com medidas clínicas ou cirúrgicas, alterações na dieta, exercícios de fortalecimento e estimulação térmica e gustativa.

Já a disfagia esofágica será tratada de acordo com sua origem. Na maioria dos casos, o uso de fármacos inibidores de acidez, corticoides ou relaxantes musculares é suficiente. Além disso, o tratamento consiste em dilatar o esôfago.

Então, com a leitura deste post, você conheceu um pouco mais sobre a disfagia e seus sintomas, causas e alternativas de tratamento. Portanto, caso sinta esse desconforto ao engolir, converse com seu médico.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de cabeça e pescoço em São Paulo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp