Agende sua consulta
Fale conosco pelo WhatsApp

Quando a traqueostomia é indicada?

Quando a traqueostomia é indicada?
Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)
14/06/2024

O objetivo da traqueostomia é garantir a oxigenação necessária a pacientes com quadros respiratórios agudos ou crônicos ou com doenças de cabeça e pescoço

Por ser um procedimento que facilita a respiração dos pacientes com insuficiência respiratória, tumores de cabeça e pescoço, é fundamental saber quando a traqueostomia é indicada para que o melhor cuidado médico seja oferecido. Essa indicação deve levar em consideração, também, a qualidade de vida do paciente e seus familiares, bem como uma previsão de tempo para permanecer com a traqueostomia, que pode ser temporária ou pelo resto da vida.

Conheça as principais indicações para a traqueostomia!

CONTATO

Quando a traqueostomia é indicada?

Para saber quando a traqueostomia é indicada, é preciso identificar situações que impedem o paciente de respirar, seja por obstrução aguda da traqueia, tumores de cabeça e pescoço ou por quadros clínicos degenerativos. A seguir, estão as principais indicações médicas para o procedimento.

Ventilação mecânica prolongada

No ambiente hospitalar, a principal causa de traqueostomia é a necessidade de ventilação mecânica prolongada. Ou seja, quando o paciente já está intubado há pelo menos 10 dias e estima-se que permanecerá dessa forma por mais tempo.

Obstrução das vias aéreas superiores

Os tumores de laringe e orofaringe são exemplos de situações quando a traqueostomia é indicada, mas traumas ou inflamações também podem gerar obstrução das vias aéreas e prejudicar a respiração. Além disso, casos de choque anafilático ou crise asmática grave também podem ser indicações formais para esse procedimento ou para cricotomia em situações de emergência.

Doenças do sistema nervoso

Existem algumas condições que afetam o sistema nervoso e que causam a paralisia da musculatura respiratória, de tal forma que o paciente pode precisar de ventilação mecânica por tempo prolongado ou até mesmo pelo resto da vida. Assim, doenças como esclerose lateral amiotrófica (ELA), botulismo, miastenia gravis, síndrome de Guillain-Barré e outras são exemplos de quando a traqueostomia é indicada.

Doenças da infância

É bastante comum que crianças com doenças congênitas ou adquiridas tenham que ser submetidas à traqueostomia e viver com esse tipo de respiração mecânica. Alguns exemplos de casos são:

  • Paralisia cerebral (por diversas causas);
  • Hemangioma de laringe;
  • Estenose glótica ou subglótica;
  • Estenose de traqueia superior;
  • Cistos laríngeos;
  • Cistos de valécula.

Quais são os riscos da traqueostomia?

Quando a traqueostomia é indicada é preciso considerar, também, os riscos inerentes ao procedimento e só realizá-lo quando os benefícios forem superiores. Assim, embora a traqueostomia seja geralmente considerada segura, existem alguns riscos associados ao procedimento, tais como:

  • Sangramento durante ou após a cirurgia;
  • Infecção na área da incisão ou na traqueia;
  • Pneumotórax;
  • Obstrução do tubo por secreção;
  • Formação de fístulas com o esôfago.

Como é a vida com traqueostomia?

Viver com uma cânula de traqueostomia pode ser, sim, um desafio para o paciente e seus familiares, visto que é necessário manter cuidados diários e adaptar a fala, a comunicação e a alimentação. No entanto, muitas pessoas conseguem se adaptar com sucesso quando a traqueostomia é indicada e realizar atividades comuns do cotidiano.

A traqueostomia pode ser revertida?

Sim, quando a traqueostomia é indicada devido a condições agudas que melhoram com o tempo é possível fazer a reversão através de um procedimento chamado decanulação, porém apenas quando a doença primária já tiver sido resolvida. Na maioria das vezes, o médico remove a cânula e faz um curativo no local, de tal forma que a cicatrização ocorre sozinha, mas em alguns casos pode ser necessário fazer um fechamento cirúrgico.

Quem pode realizar a traqueostomia?

A traqueostomia é um procedimento que deve ser realizado por um cirurgião qualificado e experiente, como o Dr. Pablo Quintana, cirurgião de cabeça e pescoço.

Agende sua consulta com o Dr. Pablo Quintana.

 

Fontes:

AC Camargo

Ebserh